A Morte do Superman

A Morte do Superman

Já comentei que tenho um sério problema com HQs clássicas né?

E essa de que falarei hoje não é diferente. Acho que todo mundo que goste, mesmo que minimamente, de HQs já ouviu falar dessa lendária grande revista.

Claro que, sabendo disso, resolvi ir atrás de ler logo essa história para me colocar “em dia”.

Mas logo descobri que não seria tão fácil assim. Essa revista está esgotada já tem um bom tempo e, quem se arrisca a vender uma dessa no Mercado Livre ou algo do gênero coloca preços passando de R$ 200,00 e, por mais que eu estivesse mesmo interessado em ler, 200 dinheiros é mais do que eu pagaria.

Vamos à sinopse e depois eu digo como eu resolvi esse pequeno “problema”.

The Death of Superman - Capa (imagem tirada da Amazon)

The Death of Superman – Capa (imagem tirada da Amazon)

Nesse clássico vemos uma Liga da Justiça formada e combatendo problemas locais dos EUA.

Tudo ia bem até que um prisioneiro escapa de uma prisão de segurança máxima e resolve quebrar tudo a sua volta até chegar em Metrópolis.

Percebendo o perigo, a Liga resolve ir conter a situação mas o plano não sai bem como o esperado e todos são derrotados por esse vilão – que, nesse momento, tem só uma mão e um olho liberados da roupa que fazia parte da sua prisão.

Durante esse fato, o Superman, que participava de um programa na televisão, assim que percebe o perigo, abandona o perigo e corre para salvar seus amigos.

Nesse ponto descobrimos que nem o Homem de Aço é capaz de parar esse inimigo que, por não ter um nome e por não ter uma identidade conhecida, acaba sendo chamado de Apocalipse (Doomsday no original) – por conta de toda a destruição causada.

Pelo resto da revista vemos tudo o que é feito no intuito de parar esse incrível vilão.

Feita a sinopse, hora da opinião!

Essa revista saiu, primeiramente, em 1992 e ficou mundialmente conhecida por trazer a morte de um dos, se não o mais, forte personagem dos quadrinhos. Afinal, quem poderia imaginar que existira um ser que fosse forte o suficiente para matar nosso herói? Ainda mais, mata-lo sem auxílio de Criptonita?!

Pois é, difícil de imaginar e é pegando essa incredulidade que o editor Mike Carlin e a equipe criativa de Superman composta por Dan Jurgens, Roger Stern, Louise Simonson, Jerry Ordway e Karl Kesel, desenvolveram toda a história.

No geral, e já adiantando um pouco a conclusão, eu gostei bastante da revista e, mesmo ela estando em inglês acabei lendo relativamente rápido pois queria saber o final.

Aproveitando a deixa do parágrafo anterior, já vou explicar o motivo de ter lido ela em inglês e não em português. Essa revista está esgotada a muito tempo nas lojas e, como já mencionei no começo do texto, quem se arrisca a vendê-la cobra muito caro. A solução foi comprar a edição digital nela no ComiXology e lá só tem a versão em inglês.

Continuando na opinião, acho que o maior “problema” (entre aspas pois não é, realmente, um defeito) dessa revista é a época em que ela foi escrita.

Não sei se por estar acostumado com um outro estilo de narrativa ou se por preferência mesmo, me senti bem incomodado com as milhões de pequenas explicações que temos na revista.

Isso é um ponto que vai aparecer aqui no blog mais vezes e em outras edições clássicas mas, no caso desse aqui, o que mais me incomodou foram as “como visto na edição X da revista Y”. Ok, eu entendo que eu li um compilado e que ela saiu nas bancas e que é preciso que tenha um contexto para quem não esta acompanhando desde o começo mas eu acabei achando que foi um pouco mais do que deveria.

Tirando isso, achei que a história poderia ser, também, algumas páginas mais curtas (isso também aparecerá em outras resenhas por aqui), digamos que o Homem de Aço poderia ter sido poupado de algumas agressões. Mas, por outro lado, entendo que isso pode ter sido feito para que ficasse bem claro que não foi uma coisa simples o que o Apocalipse conseguiu matando nosso herói.

E, como último ponto, uma coisa que não me incomoda mas é sempre bom avisar: a pegada do desenho é bem diferente do que estamos acostumados e isso pode, diria mais, vai causar estranheza no começo mas logo vocês acostumam e percebem que o desenho é bem bom! Créditos para Dan Jurgens, Jon Bogdanove, Tom Grummett, Brett Breeding e Rick Burchett, os caras responsáveis pelas artes.

Resumindo, finalmente, eu recomendo essa revista mesmo tendo ficado levemente cansado do tanto de referências a edições passadas e achando que ela poderia ser um pouco mais curta!

É isso ai povo, até semana que vem!

Título: A Morte do Super Homem (Livraria Cultura em inglês)
Número de páginas: 168
Editora: DC Comics
Autor(es): Dan Jurgens, Roger Stern, Louise Simonson, Jerry Ordway, Karl Kesel, Jon Bogdanove, Tom Grummett, Brett Breeding e Rick Burchett

Nota:


Twitter: @felipemorandin / @lieaiblog
Facebook: felipemorandin / lieaiblog

 

Deixe uma resposta