Ultimate Homem-Aranha – Poder e Responsabilidade

Homem Aranha - Mark Bagley
Ultimate Homem-Aranha: Poder e Responsabilidade - Capa

Ultimate Homem-Aranha: Poder e Responsabilidade – Capa

Quem ai não conhece o amigão da vizinhança?!

Uma coisa comum no universo dos quadrinhos que eu conheço a pouco tempo mas já considero pra  caramba é fazer reboot, e essa resenha de hoje é de uma revista que é, praticamente, um reboot.

Já devo ter comentado aqui no blog em algum post, mas se não comentei vou fazer um pequeno resumo da minha história com os quadrinhos.

Tirando algumas revistas da Turma da Mônica que eu lia quando era bem mais novo, não lia quadrinhos até, sei lá, final de 2012, começo de 2013. Sendo assim, tem muita coisa que eu estou “aprendendo” agora sobre esse universo.

Dentre as coisas que eu ainda estou aprendendo é o conceito Ultimate da Marvel, conceito este aplicado na revista de que falarei hoje.

Pelo o que eu entendi, o universo Ultimate da Marvel é quase como um universo alternativo em que as origens, e as ações, dos heróis não são as mesmas do universo “oficial” e, por isso, os artistas tem um certo nível de liberdade maior do que eles teriam fora desse universo.

Contexto feito, hora de falar da revista.

Nessa edição vemos o amigão da vizinhança nascendo. Somos apresentados a um Peter Parker adolescente, estudante que sofre bullying, que não tem mais pai e nem mãe mas que foi criado por tios que cuidam muito bem dele e que tenta viver a melhor vida possível com tudo o que tem.

Até que, num passeio escolar na Oscorp, ele é picado por uma aranha modificada geneticamente.

A partir desse momento ele começa a sofrer transformações no seu corpo e personalidade e muitas dessas transformações são aquelas que a gente já esta acostumado quando se trata do nascimento do herói.

Porém, essas transformações chamam a atenção de Norman Osborn que insiste que deve, de qualquer jeito, estudar o que esta acontecendo com o jovem que foi picado na sua empresa.

Essa obsessão acaba causando muito mais problema do que o Sr. Osborn poderia pensar e então vemos as coisas se complicando e, com isso, definindo o Homem-Aranha que estamos acostumados.

Feita a sinopse, já digo, logo de cara, que achei essa revista “ok”.

Ela não é uma revista ruim, nem perto disso, mas também não é das melhores.

A história, mesmo sendo bem desenvolvida, podia ser um pouco mais direta. Senti, em alguns momentos, que certas passagens estavam lá só para fazer volume e fechar a edição original da revista.

Muita repetição de situações só para mostrar como Peter estava se sentindo e que ele estava se transformando numa coisa que ele não entende.

Os desenhos de Mark Bagley funcionam muito bem para essa revista, principalmente durante as lutas. Não sei direito como explicar mas os desenhos me ajudaram a ter a sensação que a briga estava sendo bem rápida, dinâmica e doída!

No geral, acabo recomendando a revista por ser a origem do Aranha nesse universo Ultimate, mas não acho que seria uma boa ir esperando muita coisa.

Só um último comentário, quem viu o filme O Espetacular Homem-Aranha de 2012 e ainda não leu a revista, quando for ler vai ver que tem muita coisa parecida! Eu vi o filme logo depois de ter lido a HQ e como se passou uns 2 meses até eu escrever essa resenha, enquanto eu escrevia fui confundindo muita coisa. Ponto para o filme!

Bom, é isso.. até mais!

Título: Ultimate Homem-Aranha – Poder e Responsabilidade
Número de páginas: 196
Editora: Salvat
Autor(es): Brian Michael Bendis, Mark Bagley

Nota:


Twitter: @felipemorandin / @lieaiblog
Facebook: felipemorandin / lieaiblog

 

 

Deixe uma resposta